Por Albírio Gonçalves* |

É comum surgir em nossas timelines, nas redes sociais, inclusive no LinkedIn, imagens comparando chefes com líderes. Geralmente, estas imagens possuem muitas curtidas e vários comentários carregados de emoção.

Mas será que fazem sentido? Eu não acredito! A minha experiência diz que não. A seguir, darei um exemplo…

Uma vez, em uma palestra sobre liderança que ministrei, perguntei quem trabalhava – ou já havia trabalhado – com um verdadeiro líder ou uma verdadeira líder. Algumas pessoas levantaram a mão. Então, perguntei a uma moça, que estava na primeira fileira do auditório, se ela poderia dizer quem era o líder ou a líder a quem ela se referia. Ela respondeu:

– A minha gerente. Ela é uma verdadeira líder.

Agradeci e fiz a mesma pergunta a um senhor que estava no meio do auditório, que me respondeu:

– Trabalhei com dois grandes líderes, ao mesmo tempo: o diretor e o presidente da empresa, pela qual trabalhei 22 anos e me aposentei.

A este senhor, fiz uma outra pergunta:

– O senhor trabalhava diretamente com um dos dois?

Ele respondeu:

– Eu respondia diretamente ao diretor, que se reportava ao presidente da empresa.

– Então, esse diretor era o seu chefe? Perguntei.

A sua resposta:

– Isso mesmo.

Eu não fiz esta mesma pergunta à moça que primeiro respondeu a minha pergunta porque a sua resposta foi muito clara: “a minha gerente”. Logo, a sua chefe.

É isso, pessoal, no mundo corporativo, a maioria esmagadora do(a)s profissionais que são considerados excelentes líderes, é chefe. Logo, a comparação chefe versus líder não faz sentido.

Nas palestras e treinamentos que ministro sobre o tema, procuro desmistificar esta questão. Na verdade, deveríamos comparar bons chefes com chefes ruins. Esta, sim, uma comparação que faz sentido.

E quem é o bom ou a boa chefe?

É a pessoa que exerce o seu papel de líder e gestor(a) com competência e eficácia.

E o chefe ou a chefe ruim, quem será?

A pessoa que é só líder ou só chefe ou nem uma coisa, nem outra.

Vamos lá! Se por um lado, o(a) chefe é excelente como líder, sabe ouvir, preocupa-se genuinamente com os membros do time, desenvolve as pessoas, dá feedback, cria um bom ambiente organizacional, sabe motivar, entre outras coisas; por outro, é um zero à esquerda como gestor(a), esquecendo ou atrasando-se para compromissos, desconhecendo procedimentos, não fornecendo à equipe os recursos necessários para que os trabalhos sejam realizados, esta pessoa é nociva para equipe, mesmo sendo um(a) ótimo(a) líder, pois o seu estilo de gestão não contribui para que a sua equipe possa realizar um bom trabalho.

Agora, um segundo exemplo de chefe ruim. Imagine que o(a) chefe é excelente na gestão, conhece os procedimentos, faz ótimas reuniões, abastece a equipe com informações e os recursos necessários para que o trabalho seja realizado, otimiza processos e por aí vai… Mas por outro lado, é um(a) verdadeiro(a) algoz, não pensando duas vezes para pisar nas pessoas, tratar mal e escolher culpados. Com este(a) chefe, a equipe também não conseguirá realizar bons resultados ou, se conseguir, será por muito pouco tempo, pois as pessoas adoecerão, o clima ficará pesado e a equipe se desestruturará completamente.

O terceiro caso de chefe ruim é quando não se é nem uma coisa, nem outra. Neste caso, é um caos total.

Para comandar, atualmente, é preciso ter perfil integral, equilibrado e ético. Os desafios dos novos tempos pedem comportamentos compatíveis com este perfil. Vivemos em ambientes nos quais a mudança é uma constante. É preciso que o(a) chefe promova o engajamento e, ao mesmo tempo, trabalhe com afinco para planejar, distribuir e organizar as tarefas. Este(a) chefe precisa compartilhar a sua visão com a equipe, alinhando-as com as estratégias corporativas visando à consecução das metas empresariais. Também tem que ser capaz de motivar e, por outro lado, cobrar resultados.

Em resumo, para comandar é preciso ser Chefe com “C” maiúsculo, ou seja, saber liderar e fazer uma boa gestão. Pense nisso quando vir a próxima comparação entre chefe e líder, em sua timeline.

(*) Albírio Gonçalves é educador corporativo, consultor empresarial, estrategista, executivo, empreendedor, creator, escritor e palestrante. Saiba mais em http://albiriogoncalves.com.br 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *